A síndrome do “é para o seu portfólio”

Há um tempo atrás aconteceu algo comigo – que não tinha sido a primeira vez – que me fez ter essa leve reflexão que hoje compartilho com vocês, os famosos clientes que estão cheios de boas intenções para a sua carreira não é mesmo?! Me diga ai quantos clientes já te procuraram com aquela proposta irresistível, com aquele projeto que seria o seu grande job, aquele que você colocaria no seu portfólio e conseguiria milhões de trabalhos?

Tenho certeza que muitos de vocês passaram, passam ou ainda vão passar por situações como estas, isso é para vida em qualquer área que você atuar, o blog é para os mundanos da publicidade e afins, entretanto tenho certeza que aquele seu amigo advogado, professor de educação física, auxiliar de escritório, empreendedor e demais profissionais passam por isso também, só que costumamos trocar a frase “é para o seu portfólio” por “faz pra mim de graça como teste assim você vai conseguir clientes”.

Ao longo da minha caminhada essas frases fizeram parte da minha vida e tenho comigo que elas iram persistir, a sociedade insiste em muitos pensamentos errados nessa vida e que precisamos desconstruir, não é porque você acabou de se formar que você não entende nada ainda, é óbvio que ao longo do tempo adquirimos maturidade e sabedoria, mas “pequeno” não significa “não saber de nada”, ou acabou de abrir uma empresa e por precisar de clientes “você precisa ter algum cliente” – ainda que não bancando os seus custos; você tem o seu trabalho, o seu custo, o seu valor, todo trabalho possui custos, não existe esse negócio de “ser de graça”.

Veja bem, o portfólio é um recurso importantíssimo não estou entrando nesse mérito de discussão e nem dizendo para você abolir ele da sua vida permanentemente, longe de mim, que estou trazendo à tona é uma reflexão que só a fiz agora com quase 10 anos de carreira, uma releitura de como fazer o seu portfólio.

Vamos analisar o nosso meio, a publicidade. Um exemplo concreto:

Duda é freelancer, trabalha em casa (vulgo homeoffice).

O cliente diz: – Duda, faz um cartão de visitas pra mim será pro seu portfólio, vai fazer você ter muitos clientes.

Duda pensa: para confeccionar um cartão de visitas, eu tenho que ligar o computador aqui vai energia – conta que chega todos os meses em casa e nunca consegui que eu usasse e ficasse pro portfólio deles -, água – enquanto trabalho preciso me hidratar, comida – preciso de um lanche quando estou no processo criativo, faculdade, cursos – que sejam tutoriais no youtube você se dedica no seu aprendizado, tempo – processo criativo, pesquisas, organização, dedicação e talvez um software (não vamos entrar muito nesse mérito).

Tudo isso é convertido na nossa moeda de troca chamada dinheiro. Ou seja gastamos para fazer qualquer trabalho, Duda conclui que não vale a pena fazer isso para o seu portfólio.

Já que vamos gastar nosso tempo, energia e dinheiro, por que não escolher o que será nosso portfólio?!

Eureka! Isso mesmo coleguinhas, vamos começar a escolher o que vamos dedicar nosso tempo, esforço e dinheiro, vamos fazer algo que temos vontade, seu sonho é trabalhar para grandes marcas? Faça releituras com o seu trabalho, você é designer e sonhar em fazer campanhas para Havaianas? Desenvolva algo, faça um banner, desenhe uma coleção, use sua imaginação, abuse da criação, isso sim é trabalhar para o seu portfólio, invista seu tempo e dinheiro naquilo que você mais quer, isso sim será o melhor portfólio que você poderá ter na vida, porque você fará com amor, dedicação e vontade.

Espero ter trazido uma reflexão útil para vocês, comenta aqui embaixo o que acharam sobre todo esse meu pensamento, vamos compartilhar coisas boas.

Até a próxima!

 

Ana Carolina Rodrigues

Publicitária e Jornalista, amante em reflexões dessa vida, escreveu para o blog Designers Brasileiros, Interferência Urbana e Lorac Mundi, Youtuber no canal Ana Carolina Rodrigues.

Comentários no Facebook